Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

Resenha: Fado

Olá, como estão às coisas por ai? Se não estiverem bem acredite que a poesia pode curar. Amor, espiritualidade, alma, mente, destino... São temas abordados no livro de poesias Fado escrito por Daniel Horta Botelho e Castro. Há um tempo recebi um e-mail da editora Chiado me convidando para contar desse livro pra vocês e não esperava que fosse gostar tanto. Em cada poesia um tema que parece complicado, mas ao ler o ponto de vista de Daniel parece mais fácil encontrar o equilibro.
“FADO é paraNós. Por umMundo melhor. Por todosNós.” 
Ah, sem contar as ilustrações lindas que aparecem vez ou outra para dar mais vida a poesia.


Esse livro foi publicado em Maio desse ano como o objetivo de “levar-nos a superar o triste estado em que chegamos.” Parece dramático, mas não há outra expressão para se referir a um poeta que transforma confusões em caminhos e que tem a sensibilidade de eternizar isso.


Espero que tenha ficado curioso para ler, clique nesse link e saiba mais.


Continue sendo essa pessoa ilum…

Eu me apaixonei pelo que inventei de você

Eu me apaixonei pelo que inventei de você e não tenho receios em escrever porque eu sei que nem por aqui vai passar para ler. Eu me apaixonei pelo pouco tempo de atenção que me deu porque você sempre foi muito ocupado e receber mensagens sua já era muito. Que bobagem!

Então quando você não estava presente eu fui te moldando na minha cabeça, pensando em coisas que poderia te falar ou até pensando o que iria acontecer na hora da gente se encontrar de novo, mas a culpa não é sua, relaxa.

Eu me apaixonei pelo que criei quando você não estava. Qualquer mínimo detalhe era pista que desvendei como bem quis e olha só que buraco que estou agora.


Na minha cabeça já está claro que o afeto rola pelo personagem que criei. Só tentar explicar para o meu coração não disparar quando vê você não está funcionado. Ele poderia só cumprir sua função de bombear sangue, pois até o cérebro erra e a parte boa da história está sendo uma enganação da memória.